quinta-feira, 27 de abril de 2017

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Costa Selou Os Lábios E Recusou Responder A Passos Sobre Veto De Nomes Para O CFP

Um dia comemora-se o 25 de Abril, festeja-se a democracia, critica-se o populismo e declara-se morte ao nacionalismo. O Presidente da República até louvou a imunidade do sistema português a estes sarilhos que acontecem lá fora. No dia seguinte, com a democracia plena a fazer o seu curso no debate quinzenal com o primeiro-ministro, voltamos ao business as usual: assisitmos a António Costa a recusar-se a responder perante o Parlamento — que tem a missão constitucional de fiscalizar o Governo — com argumentos contrários à lógica de uma democracia parlamentar. Costa recusou responder porque não era ao deputado Passos Coelho que devia a resposta, mas a outras instituições. Faz parte da lógica Parlamentar fugir a questões maçadoras, mas um primeiro-ministro que no dia anterior abriu os seus jardins a cravos e a poesia não pode responder assim. 

(continuar a ler aqui

O Norte E O Mote Permanecem Imutáveis: Sair

Quantas mais aparições melhor. Ao pé disto Nossa Senhora foi mais cauta. (Por este andar mais valia alugar o Palácio de Belém onde o Presidente nunca está, sempre dava algum dinheiro à geringonça que tanto precisa dele embora nós saibamos que Centeno vela.)
Sejamos sérios: actuar assim é exibir perante o país que nunca por nunca ser, o seu Presidente tem em mãos um assunto, uma reflexão, uma ponderação, cuja complexidade o impeça de sair porta fora, ao primeiro impulso. Que a sua disponibilidade para aprofundar o estudo das questões é preguiçosa, que preferirá sempre o movimento ao assento. A leveza à substância.
E partir daquele imorredoiro desabafo do “ia a passar por aqui”, dito presidencialmente há dias em Tires, após a trágica queda da avioneta, como (assombrosa) justificação de lá estar dez minutos depois do acidente, legitimam-me em absoluto: não posso ser acusada de nada pelo uso da palavra desacerto.
Uma pena. Com os dias contados, mas uma pena à mesma.
Excertos do artigo de Maria João Avillez, OBSR
Pois, o povo é sereno, até  um dia. Aí, vamos saber como vai actuar o PR . Até lá  vai-se divertindo e  contentando muitos outros. -  enfim, é a vida à moda de Marcelo  

Esta É A Frase

A liberdade consolidada por décadas de democracia é, e será sempre, utilizada por alguns sem responsabilidade, ferindo-a de morte porque o abuso que dela fazem leva outros a desejar que ela acabe. Só por isso ainda se consegue encontrar quem diga que tem saudades de Salazar.

Paulo Baldaia, DN 

Ironia ...

"Só os grandes esgrimistas da palavra manejam, com elegância, a ironia, que fere o mais íntimo da alma." 

Victor Hugo
 

terça-feira, 25 de abril de 2017

25 De Abril 2017


Equipa Dos Roazes Da Escola Secundária Du Bocage De Setúbal Ganha 1º Prémio Da 2ª Edição Do Jogo De Gestão Interescolas

Aprender a trabalhar em equipa e sob pressão e tomar as melhores decisões, são as principais aprendizagens destacadas pelos alunos que participaram na Final da 2.ª Edição do Jogo de Gestão Interescolas, que decorreu a 21 de abril, na Escola Superior de Ciências Empresarias do Instituto Politécnico de Setúbal (ESCE/IPS).

Após a recepção de boas-vindas, feita pelo Sub-director da ESCE/IPS, Prof. Doutor João Cordeiro, as 12 equipas apuradas entraram em prova e mostraram as suas verdadeiras competências de gestão, numa disputa saudável mas competitiva.

A equipa Roazes, da Escola Secundária du Bocage venceu o primeiro prémio, com um resultado líquido de 128.897 euros. Cada um dos alunos recebeu como prémio um telemóvel Huawei Y625 e bilhetes para a peça de Teatro "Fuga", do Teatro de Animação de Setúbal.

O 2.º lugar foi para a equipa ESJP Team, da Escola Secundária Jorge Peixinho, do Montijo, com um resultado líquido de 127.365 euros e na mesma cidade também ficou o 3.º lugar da competição para a equipa Deautys, da Escola Profissional, com um resultado líquido de 113.261. euros.

Entrevista De Helena Garrido A António Barreto

 "Dever dinheiro como nós devemos, é um princípio de escravatura” – ECO - Ler aqui. 

Amanhecer

Cada dia que amanhece assemelha-se a uma página em branco, na qual gravamos os nossos pensamentos, ações e atitudes. Na essência, cada dia é a preparação de nosso próprio amanhã.

Chico Xavier

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Notícias Soltas

Esta É A Frase

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente.

Alexandre Homem Cristo, OBSR 

A Ambição ...

Mas a ambição do homem é tão grande que, para satisfazer uma vontade presente, não pensa no mal que daí a algum tempo pode resultar dela,

Maquiavel   

domingo, 23 de abril de 2017

Resultados Preliminares Das Eleições Em França (via Bloomberg) (act.)

Preliminary Results 

  • As of: 10:15 PM WEST

    • 23.41%
      Macron
      On the Move!
    • 22.6%
      Le Pen
      National Front
    • 19.8%
      Fillon
      The Republicans
    • 18.64%
      Mélenchon
      France Unbowed
    • 5.74%
      Hamon
      Socialist Party

Eleições Francesas: Sondagem Bloomberg

Recent Polling 
As of: Apr 21, 12:00 AM WEST

  • 23.8%
    Macron
    On the Move!
  • 22.8%
    Le Pen
    National Front
  • 19.3%
    Fillon
    The Republicans
  • 19%
    Mélenchon
    France Unbowed
  • 7.5%
    Hamon
    Socialist Party

Não Coma Sal De Mais ... E Nem De Menos

Quando come alimentos salgados, fica com mais sede e bebe mais água, certo?
Talvez no curto prazo, logo após a refeição, mas num período de 24 horas de facto ficará com menos sede porque o seu corpo começará a conservar e produzir mais água.
Esta descoberta surpreendente, feita por uma equipe de investigadores dos EUA e da Alemanha, está desvendando um saber científico considerado verdadeiro há mais de 100 anos, e pode fornecer novas ideias sobre as epidemias ocidentais de obesidade, diabetes e doenças cardíacas.
Esta nova informação também lança uma luz sobre como nosso corpo responde à ingestão elevada de sal e pode fornecer uma perspectiva totalmente nova para lidar com as doenças metabólicas. Os resultados complementam descobertas anteriores da mesma equipe sobre o armazenamento de sal no corpo humano.

Como o nosso corpo lida com o sal

Até agora, os cientistas afirmavam que a excreção de sal consumido pela dieta levará inevitavelmente à perda de água pela urina e, assim, reduzirá o conteúdo de água no corpo.
Mas não foi isso que constataram. Pelo contrário, eles demonstraram que o princípio biológico da excreção de sal é, na verdade, a conservação da água no corpo.
Além disso, é preciso muita energia para conservar água em face da excreção de sal. Para fazer isto o corpo precisa, obter mais combustível, ou consumir massa muscular.
"Isso nos predispõe a comer em excesso," complementa o professor Jens Titze, da Universidade de Vanderbilt (EUA).
Os médicos alertam há décadas que não se deve comer sal demais porque isso faz mal ao coração.
Mas agora um novo estudo mostrou que tanto sal em excesso, quanto pouco sal, podem elevar os riscos de complicações cardiovasculares, sobretudo em pacientes sabiamente cardíacos ou diabéticos.
Ou seja, não é exactamente o excesso de sal que faz mal à saúde cardiovascular, é o sal na quantidade incorreta.

Consumo ideal de sal

Os pesquisadores da Universidade Nacional da Irlanda demonstraram que a libertação de sal pelo organismo entre 6 e 7 gramas por dia está associada com um aumento no risco de todos os eventos cardiovasculares.
Surpreendentemente, a excreção de menos do que 3 gramas de sal por dia está associada com um aumento no risco de morte por causas cardiovasculares e hospitalização por insuficiência cardíaca congestiva.
Ou seja, o nível saudável de excreção de sal pelo organismo fica entre 4 e 5,99 gramas por dia.
Este é o primeiro estudo a demonstrar essa curva de associação entre a ingestão de sal e as doenças cardiovasculares, e pode explicar grande parte da controvérsia e dos resultados conflituantes que vêm sendo apresentados por diversos estudos recentes na área.

Cristas Sozinha Contra 'Mundum' ...

A dra. Cristas já se candidatou à Câmara de Lisboa, sozinha contra mundum. O pior é se ninguém dá pela sua fascinante personalidade e pela sua notória competência para dirigir uma Câmara. Ou se, em geral, o CDS descer nas autárquicas. Ou até, por absurdo, considerando a sua vacuidade ideológica e doutrinal e principalmente a sua fraqueza, o CDS desaparecer em fumo à medida que as eleições se aproximarem. Sendo chefe de uma pequena patrulha (com novos dirigentes que Portas recrutou), a dra. Cristas devia perceber que, em última análise, a sobrevivência do seu partido depende da unidade da direita, porque só ela lhe dará força para um papel importante na política portuguesa. A afirmação da duvidosa personalidade do partido talvez lhe traga alguma popularidade interna. Nada mais. Cá fora, a esmagadora maioria dos portugueses não se interessa pelo que sucede ou deixa de suceder no Largo do Caldas. E ainda por cima Cristas não é e nunca será o dr. Paulo Portas.

Vasco Pulido Valente, OBSR

Quantas Vezes Tentaram Adivinhar ...

Quantas vezes tentaram adivinhar o que 
sentíamos, e erraram.
Julgaram nossas acções, e erraram.
Tiveram certeza sobre nossos propósitos, 
erraram.
O que somos de verdade e o que queremos de 
facto, só nós sabemos.
Só nós. 

Martha Medeiros

sábado, 22 de abril de 2017

Por Muitos 'Sucessos' Que Se Tenha, Apenas Se Adia O Inevitável

Em 2008, o défice orçamental fixar-se-á em 2,2% do PIB, que representa o valor mais baixo dos últimos 30 anos" (Relatório do Orçamento do Estado para 2009, p. I). Logo no ano seguinte, o mesmo primeiro-ministro, José Sócrates, e o mesmo ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, teriam o maior défice da história de Portugal, 9,8%, só ultrapassado pelos 11,2% do ano seguinte. Passaram menos de oito anos e as nossas cidades estão cheias com a mesma mensagem: "2,1%, o défice mais baixo da nossa democracia." Haverá aqui um padrão? (...)

A situação é claramente diferente de 2009. Estará tudo bem? (continuar a ler)

Esta É A Frase

Portugal descobriu, nestas últimas semanas, que as claques de futebol são agressivas, verbalmente violentas e que servem mais para intimidar o adversário do que para entusiasmar as suas equipas. E descobriu também que os adeptos não gostam de futebol, gostam é dos seus clubes, o que é bastante diferente. Mais vale tarde do que nunca, embora, neste estado de insanidade em que está o futebol, nunca nada mudará até ser tarde de mais.

Miguel Conde Coutinho, JN

Canção Do Mar Aberto


Onde puseram teus olhos 
A mágoa do teu olhar? 
Na curva larga dos montes 
Ou na planura do mar? 

De dia vivi este anseio; 
De noite vem o luar, 
Deixa uma estrada de prata 
Aberta para eu passar. 

Caminho por sobre as ondas 
Não paro de caminhar. 
O longe é sempre mais longe… 
Ai de mim se me cansar!... 

Morre o meu sonho comigo, 
Sem te poder encontrar 


Armando Côrtes-Rodrigues

sexta-feira, 21 de abril de 2017

DBRS : 'Rating' De Portugal Sem Alteração

Portugal volta a ouvir da DBRS, a única agência que lhe dá notação acima de "lixo". Porque é que os cálculos desta dão um resultado diferente dos das outras? Ou não será uma questão de cálculos? ( ler aqui)

A agência de notação financeira DBRS confirmou que o "rating" de Portugal fica num nível que garante que é possível continuar a aceder às compras de dívida por parte do BCE sem resgate.

Esta É A Frase


«O futuro da União Europeia não se decide na Grécia ou no Reino Unido, mas em França, o novo "homem doente da Europa": é aí que a integração europeia se pode consertar ou quebrar de vez.»

No século XIX, usava-se a expressão “o homem doente da Europa” para designar um país cujas dificuldades ameaçavam pôr em causa os equilíbrios políticos europeus. Quem poderia ser hoje esse “homem doente”, do ponto de vista da União Europeia? A Grécia? A Grécia faliu, mas a UE pode bem continuar sem a Grécia. O Reino Unido? O Reino Unido vai sair, mas a UE já existiu sem o Reino Unido. A Itália? A Itália está estagnada, mas a Itália nunca teve um papel de liderança na UE. Não, o verdadeiro “homem doente da Europa” é outro: a França. (continuar a ler)

Rui Ramos, OBSR 

Desorganização Do Governo Atrasa Nova Lei da Segurança

... Dos Aeroportos

A proposta de lei da ministra da Administração Interna para reforçar a segurança nos aeroportos não tem validade legislativa e o processo está agora a ser conduzido pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), entidade legalmente competente para o efeito. As medidas defendidas por Constança Urbano de Sousa pretendiam responder ao alarme público causado com a fuga de imigrantes ilegais do aeroporto Humberto Delgado, entre junho e setembro do ano passado, mas regulamentos europeus impediam que fosse a governante a responsável pelo diploma. A proposta tinha por base as conclusões de um grupo de trabalho, que a ministra criou em agosto passado, na sequência dos incidentes do aeroporto, que integrava as secretas, a PJ, a PSP e o SEF. (continuar a ler)